Saltar o Menu
Logo Camara
Selo 2015

Câmara de Vereadores de Passo Fundo/RS

NOTÍCIA

HISTÓRIA

Olga Poleto foi a primeira mulher no Legislativo de Passo Fundo

Nesta primeira semana de 2021, a série “Revivendo Passo Fundo” lembra a trajetória da professora e escritora Olga Adélia Durgante Poleto. Além de ter exercido suas profissões, ela está na história do município por ser a primeira mulher a assumir uma cadeira no Legislativo passo-fundense, na 3ª Legislatura entre 1955 e 1959.

Olga Poleto nasceu em Passo Fundo no dia 26 de outubro de 1915, filha de João Durgante e Hercina da Silva Durgante. Após completar seus estudos, direcionou-se para cursar o magistério, formando-se na então chamada Escola Complementar em 1934. Quatro anos depois, em 1938, iniciou sua atuação na área em Soledade (RS), onde ficou até 1940, quando voltou a Passo Fundo.

Ao regressar a sua terra natal, Olga assumiu a direção do Grupo Escolar Monte Castelo entre 1940 e 1946. Após esta etapa, ela passou a lecionar na Escola Normal Oswaldo Cruz (atual Escola Estadual Nicolau de Araújo Vergueiro – EENAV) até meados de 1947. Então, ela iniciou suas atividades junto à 7ª Delegacia Regional da Secretaria de Educação e Cultura (SEC), onde permaneceria por mais de duas décadas até sua aposentadoria.

Ciente da missão de sua profissão não se limitar apenas à sala de aula, Olga deu início a ações diferenciadas quando ainda era diretora do G.E. Monte Castelo. Em meados de 1945, em parceria com o corpo docente e a Associação de Pais e Mestres da instituição, ela mobilizou uma campanha junto a autoridades municipais e estaduais para a construção de um novo prédio. Ele foi inaugurado logo no ano seguinte, na Vila Rodrigues, sendo utilizado pelos próximos vinte anos.

Com suas iniciativas e envolvimento na vida pública do município, lançou-se candidata à Câmara Municipal nas eleições de 1955 pelo Partido Liberal (PL). Segundo os registros, a população de Passo Fundo havia sofrido redução, além da diminuição de seu território, devido às emancipações de Marau e Tapejara, que eram distritos.

Mesmo com essas mudanças, Olga esteve entre os 82 concorrentes a vereador, tendo 157 votos ao fim das contagens, o que lhe valeu a suplência no Legislativo. No entanto, isso não a impediu de assumir oficialmente uma cadeira no Parlamento no decorrer da 3ª Legislatura, sendo a primeira mulher a obter tal feito em Passo Fundo.

Em seu período como vereadora, em meados de 1958, se destacou ao lutar pela criação de uma Escola Industrial que oferecesse amparo e oportunidade de uma profissão aos menores do município. Ela também integrou a comissão de Obras Públicas e Nomenclatura de Ruas. Consta nos anais que ela não pôde concluir a Legislatura pois foi solicitada à época para dirigir um concurso de remoção e entrância.

Após seu mandato no Legislativo, Olga seguiu contribuindo à comunidade com suas ações. Integrou diversas comissões de serviços prestados à população local, incluindo movimentos sociais, educacionais e sindicais. Em 1961, por exemplo, ela foi uma das fundadoras da Cruzada Passo-fundense de Luta Contra a Tuberculose, atuando como secretária desta entidade desde sua fundação até 1968.

Já em 1962, fundou, supervisionou e coordenou em Passo Fundo o Núcleo do Centro de Professores Primários do Estado do Rio Grande do Sul (atual CPERS/Sindicato). Olga se destacou no trabalho de conscientização da classe sobre seus direitos, em especial, aos professores que atuavam em escolas de difícil acesso, além da luta pela regulamentação e efetivação de professores contratados. Ela foi supervisora deste sindicato entre 1962 e 1968. Além disso, ela foi sócia-fundadora do Clube do Professor Gaúcho. Durante esse período, manteve um espaço chamado “Coluna do Magistério” no jornal “O Nacional”, em que divulgava as atividades e realizações dessas entidades.

Mesmo após sua aposentadoria, Olga continuou sendo referência no que diz respeito aos princípios de sua profissão, além da forma com que cultivou o zelo pela educação e cuidado com as crianças. Olga Adélia Durgante Poleto faleceu no dia 4 de janeiro de 1994.

Arte: Comunicação / CMPF