Saltar o Menu
Logo Camara
Selo 2015

Câmara de Vereadores de Passo Fundo/RS

NOTÍCIA

SAÚDE E LEGISLAÇÃO

Combate ao Glaucoma

A série Saúde e Legislação segue abordando temas relevantes na área da saúde, especialmente os que originaram campanhas que motivam ações de cuidados e prevenção.

Nessa edição, vamos falar sobre o Glaucoma, em uma alusão ao Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, no próximo dia 26 de maio, instituído pela Lei nº 10.456/2002. A data tem o objetivo de chamar a atenção para a importância do acompanhamento oftalmológico adequado como forma de prevenir e tratar essa doença que é considerada uma das maiores causas de cegueira irreversível no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Glaucoma, estima-se que, aproximadamente, 900 mil brasileiros tenham a doença.

O glaucoma é a doença que acomete os olhos, relacionada a elevação da pressão ocular, que provoca uma lesão no nervo ótico e, consequentemente, compromete a visão. Ela não tem cura e se não for tratada adequadamente pode levar à cegueira.

A doença pode se desenvolver durante anos sem que o paciente perceba, uma vez que a perda visual só ocorre em fases mais avançadas. Inicialmente, o campo visual vai diminuindo e a pessoa começa a esbarrar nas coisas, pois está perdendo a visão periférica (vê bem o que está na sua frente, mas não enxerga o que está dos lados).

A maneira mais eficaz de prevenir a doença é consultar o médico oftalmologista pelo menos uma vez ao ano. O glaucoma é diagnosticado através da medição da pressão intra-ocular, podendo haver necessidade de outros exames complementares, como de fundo de olho e campo visual. Quanto antes o problema for detectado, maiores as chances de minimizar os danos causados pela degeneração.

Por se tratar de uma doença crônica e sem cura, o glaucoma pode ser controlado através de tratamentos com o uso de medicamentos apropriados, como colírios, por exemplo, que baixam a pressão ocular, até cirurgias e uso do laser.

Pessoas com mais de 40 anos, pacientes com alto grau de miopia, diabéticos, ou que tenham familiares portadores de glaucoma, devem estar ainda mais atentos à realização dos testes de rotina, pois estão mais suscetíveis a desenvolver a doença.

Arte: Comunicação Digital/CMPF